(Continuação) SUPERAR DESAFIOS NO MUNDO DE NEGÓCIOS


Terceiro momento!

No artigo anterior, partilhei convosco um pouco sobre os desafios que superei para chegar onde cheguei, e dividi-os em três momentos. Dois deles já foram abordados, caso não tenha lido poderá fazê-lo aqui. No post de hoje venho finalizar o tema, dando ênfase ao terceiro momento!

Como ser empreendedor de sucesso? Como me destacar no meio de tanta competição? Entre outras mais. Essas são as perguntas que assolam todos aqueles que sonham com o sucesso, com a independência financeira, entre outros, mas como chegar lá? Leia Superar desafios no mundo de negócios com foco nos momentos anteriores e depois venha a este post e conclua a leitura, tenho a certeza absoluta que este artigo será útil.

Como referi anteriormente, eu divido os desafios que passei em três momentos: processo de tomada de decisão de empreender/criar um negócio, criação e ou legalização da empresa e por fim a gestão da empresa!

  • Gestão da Empresa!

Este último momento é aquele que é eterno, ou seja, enquanto o sonho que o levou a chegar até aqui durar. E aí os desafios se intensificam.

a) Conciliar o lado profissional e pessoal;

Pois é, este para mim foi o primeiro, pois tinha a escola, tinha os amigos, tinha a namorada, tinha os familiares e tinha os meus momentos de lazer, introspecção, etc. Todos estes competiam pela minha atenção… Como conciliar todos estes pontos?

Graças a uma organização chamada AIESEC Moçambique, especificamente no comitê local da UEM, enquanto voluntário, tive uma experiência de louvar e foi lá que aprendi a gerir melhor as minhas tarefas tendo atenção aos aspectos importantes, os não importantes, as urgências e as não urgências, a saber diferenciar o que é prioritário e o que não é, bem como a lidar melhor com as minhas emoções, pois estas muitas vezes, quando não bem entendidas e geridas levavam-me a extremos pouco agradáveis para a minha saúde física e mental. Em suma, entendendo o quadrante de prioridades pude trabalhar melhor estes dois mundos (o pessoal e o profissional), afim de criar a harmonia necessária para uma boa convivência entre ambos!

b) Admitir que não consigo fazer tudo sozinho;

Este foi o seguinte. Voltando a fazer referência à minha experiência na AIESEC, enquanto membro, o meu maior desafio foi trabalhar com pessoas, e este foi dos grandes porque eu sou curioso e aprendo rápido mas não percebia que por mais conhecimento teórico ou até prático que eu tivesse, continuava sendo uma só pessoa e precisava trabalhar com pessoas para que pudéssemos ter mais e melhores resultados em menor tempo possível. Ou seja, perceber o que não sabia, ajudou-me a tomar a decisão de pedir ajuda a quem sabe e aprender a fazer, mas perceber que não posso fazer sozinho, que tenho que aprender a confiar e saber por que confiar nuns ou noutros ajudou-me a saber escolher com quem trabalhar. Ser verdadeiro e honesto consigo mesmo é o melhor presente que um empreendedor se pode dar para crescer com maturidade!

c) Saber quando deixar de planear e começar a agir;

O planeamento estratégico ou de acção são cruciais para que se trilhe o caminho certo rumo ao objectivo ou visão final, porém é muito provável que tanto quanto eu alguns de vocês “empreendedores” já tenham percebido o vício em que esta prática pode-se tornar!

Então, ter datas mínimas para a entrega dos resultados de curto prazo é uma boa forma de evitar cair na ratoeira do planeamento excessivo. Adicionado a isso, fazer o exercício de controlar o rumo das actividades (não exactamente com o microgerênciamento) é outra boa forma. Entretanto, esta deve ser feita de forma que se possa perceber se existem ou não desvios de curso para atempada correcção. Para isso, fiz uso de uma ferramenta chamada PDCA do inglês, que significa Plan, Do, Check, Act, ou seja, planeie, faça, controle e aja!

d) Ter uma boa equipa (sem poder pagar bons salários);

Você lembra da minha experiência na AIESEC certo? A que mencionei na alínea b. Pois é, o ponto onde me refiro que ao saber com quem trabalhar, exacto! Sabendo onde queria chegar, ou que objectivos eu queria alcançar, eu sabia o que tinha que estudar, porém as matérias são as mais diversas e por mais que eu estudasse a vida toda jamais seria capaz de fazer tudo o que a equipa que eu precisava ter seria capaz de fazer, tendo em conta que o tempo é limitado. Para ter a equipa que tenho agora tive que aprender a ouvir, a respeitar opiniões diferentes, a deixar de ser apenas chefe e tornar-me líder, a perceber que somos todos humanos, temos sonhos, desejos, objectivos e dificuldades. Ao perceber isso e ao interagir com a minha equipa tendo estes aspectos em consideração, pude transmitir de forma subjectiva e verdadeira que me preocupo com o crescimento de todos, com o bem estar de todos e tenho provado até hoje, mesmo em meio a uma pandemia que nos tem assolado desde Fevereiro, altura em que começamos a sentir os seus efeitos negativos. Contudo, ainda estamos juntos, unidos e cada vez mais fortes, todos com espaço para opinar e implementar, analisar e criticar construtivamente e ajudar a desenhar o caminho mais prático e vantajoso para a empresa, como um todo! A One Click somos nós, cada um de nós!

e) Abandonar de uma vez a vida de funcionário de outrem;

Conhecimento prático é necessário por inúmeros motivos, acredito eu que é irrelevante a minha partilha aqui, pois parto do princípio que todos sabem disto. E pelo o meu desenvolvimento pessoal e profissional, mais do que financeiro eu agradeço as empresas onde trabalhei e cresci enquanto trilhava em simultâneo o caminho que me fazia sentir realizado.

Foi uma decisão difícil desligar-me da empresa onde trabalhava, pois ela dava-me segurança, estabilidade financeira, ensinava muito e ainda tinha muito por crescer dela (refiro-me a progressão de carreira). A decisão veio depois de uma conversa com a minha esposa e com a minha filha recém nascida (risos), que me escutaram sem julgar e me apoiaram. Em resumo, entender o estágio em que estávamos, ter o apoio das pessoas que dependiam de mim e daquele salário e ter a minha esposa a segurar as pontas da casa enquanto eu corria atrás de um sonho que podia ou não dar certo foi o que me ajudou a superar este desafio!

f)  Tornar sua empresa conhecida no mercado;

Alguns podem julgar que porque a One Click Mozambique é uma empresa de marketing e comunicação é fácil tornar a marca conhecida, não, não foi, não é, e NUNCA SERÁ FÁCIL. Entretanto, tenho que admitir que o conhecimento, as boas relações e a exposição que o marketing digital nos proporcionou tornou o processo mais célere. Em menos de 5 anos já era perceptível o conhecimento da empresa em meio a pequenos nichos e cidades do nosso país. A solução aqui foi fazer uso dos conhecimentos adquiridos a quando do processo de estudo para melhor prestação de serviços para os clientes em benefício da empresa!

g) Saber quando é a hora de pivotar;

Um exemplo recente, começamos o ano 2020 com planos muito bem traçados e no fim de fevereiro tivemos um choque com a informação da existência da pandemia, por isso tudo teve que mudar, desde o lançamento de dois novos produtos no mercado a parcerias e tivemos que nos adaptar.

Éramos até 2018 uma empresa meramente digital, de lá para finais de 2019 aumentamos 4 unidades de negócio que seriam lançadas oficialmente em 2020 e 2 delas tiveram que ficar paradas… Como sobreviver depois de alguns investimentos feitos, com o caixa no estado ENCARNADO!!! A resposta foi pivotar e se não tivesse sido a pandemia de certeza seriam os feedbacks dos clientes, pois é para eles que trabalhamos, para as marcas que querem se conectar com cada vez mais pessoas. Usamos esses feedbacks e outros mais como base para decidir como e quando mudar de produtos, estratégia, posicionamento e mais!

h) Lidar com a competição de empresas grandes;

É simples, não me vou estender, aprendi esta com a minha esposa e vi os seus benefícios, por isso faço menção aqui… Em vez de competir, a melhor solução é aliar-se e procurar atender mais e melhor os nichos que aquela empresa grande não tem interesse ou por algum motivo não consegue atingir.

i) Saber planear e priorizar as actividades do negócio;

Para os empresários de longa caminhada é fácil fazer uso do instinto e mudar o curso das coisas quando se tem experiência. Eu não tenho a mesma que os empresários que me inspiram têm, mas uma coisa é certa, mantendo o foco no resultado e tendo atenção aos desvios de curso rumo aos resultados eu consigo até hoje planear e priorizar as actividades do negócio em detrimento dos redemoinhos que nos enganam e nos fazer confundir movimento com progresso!

j) Manter a chama acesa mesmo em momentos de crise (Liderar para alcançar);

Melhor do que ir rápido é ir longe e só se vai longe com as pessoas certas, que estão dispostas a caminhar consigo na tempestade e na bonança. Praticar virtudes como paciência, foco, escuta activa, auto motivação, leitura e pesquisa, comunicação, inspiração e meditação são algumas das acções que pratico e mantêm a chama acesa. É na meditação que visualizo o ponto de chegada e os benefícios do mesmo e é na comunicação que partilho e reactivo sempre que necessário este brilho nos olhos, esta chama nos corações de cada um que veste e vive os valores da One Click Mozambique!

Conclusão

Arranje um tempinho todos os dias para se auto avaliar, para aprender com cada tentativa que não tenha dado certo, olhando para cada erro cometido. Quanto mais você aprende, mais você cresce e melhor você é capaz de lidar com os obstáculos que se encontram ao longo do caminho.

Espero que a leitura tenha sido boa.

Abraços e até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *